sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Instituto Nacional do Nome foi notícia no maior jornal do mundo, New York Times

O maior jornal do mundo - New York Times - Publicou um artigo sobre nomes estranhos no Brasil e menciona o Gerson Martins, advogado idealizador do Instituto Nacional do Nome.

Leia abaixo a notícia na íntegra, originalmente conforme foi publicado no jornal em 01/02/2014 em inglês. Leia também a tradução para o português!

"SÃO PAULO, Brazil — When he became a teenager, Wonarllevyston Garlan Marllon Branddon Bruno Paullynelly Mell Oliveira Pereira did what any self-conscious person worried about merciless taunting from his peers might do: He pleaded with his parents and the courts to let him change his name.

“I never had anything in common with Marlon Brando,” he said, referring to the American actor for whom he was partially named. So with the permission of his parents and the legal system, he whittled down his nine names to an economical four, Bruno Wonarleviston Oliveira Pereira.

“I just didn’t want to go through life with something more complicated than that,” explained Mr. Oliveira Pereira, a 19-year-old university student.

Carrying an extraordinary name is remarkably widespread in Brazil. Glance at the Facebook timelines of Brazilian friends. Strike up a conversation at a Sunday afternoon barbecue. Or merely stand in line at a notary public and listen to a pencil-pusher call out the people waiting for documents to be stamped.

You will be awed by some of the names you hear.

Mike Tyson Schwarzenegger Pradella. Errolflynn Paixão. Charlingtonglaevionbeecheknavare dos Anjos Mendonça, a 31-year-old plumber who prefers to go by Chacha, melodically pronounced Sha-sha in Portuguese.

Some scholars say the practice stems from a tendency to hold certain rich countries in higher esteem than Brazil, prompting some parents to aim for foreign-sounding names that may seem illustrious. A minor tradition of honoring American presidents has produced names like Abraão Lynconn Sousa Santana and Francisco Lindon Johnson Menezes da Luz Junior. The other side of the ideological divide is represented, too, in a name like Mao Tse Tung Lima de Moura.

Others say it reflects centuries of immigration, conquest and slavery, a process that has mixed indigenous, African, European and Asian cultures to produce a fusion of identities. In a country with an array of musical traditions, from the melodious bossa nova to sertanejo country music, naming experts also mention the symphonious way some unusual names resonate when they are coined by expecting parents.

A name like Sherlock Holmes da Silva, pronounced SHARE-Lockee WHOLE-mees in Brazil, certainly does have a distinctive ring to it.

“You ask someone why they chose a name and they say because of the sound,” said Elaine Rabinovich, a psychologist who has explored Brazil’s naming practices. “The people who are doing this are still not co-opted by mass culture. I think this is great.”

Some countries, like Germany and Iceland, strictly regulate the names parents can choose. Officials in Portugal, Brazil’s former colonial ruler, provide a list of approved names requiring parents to stick to tradition, allowing a name like Neóteles but eliminating Neptuno.

But Brazil, unhindered by such hang-ups, ranks among nations where naming has evolved into something resembling a competitive sport. Neighboring Venezuela is also a contender, with its Stalins, Nixons, Hiroshimas, Tutankamens and Taj Mahals. Honduras has Llanta de Milagro (Miracle Tire). Zimbabwe has its Godknows, Lovemores and Learnmores.

Brazil is much less freewheeling, however, for the unfortunate souls stuck with names they do not 
like. Changing one’s name requires the approval of a judge who can rule whether it is ridiculous or offensive. But the process is often drawn out and laborious, as are many bureaucratic matters in Brazil, requiring a lawyer.

“The tendency of the courts is to deny name changes,” said Gerson Martins, a lawyer who specializes in helping Brazilians change their names. “It’s a shame, because many names in Brazil are little more than alphabet soup.”

Though some people with incredible names press to change them, many Brazilians relish having a name that twists tongues, drops jaws or starts conversations.

“I have a marvelous name which makes me stand out above the crowd,” said Creedence Clearwater Couto, 34, a student named in honor of Creedence Clearwater Revival, the American rock band.
“Now, almost no one in Brazil knows who they are, and 90 percent of the people can’t pronounce it correctly,” said Mr. Couto. “But these were the guys who did ‘Bad Moon Rising,’ ” he added, referring to their 1969 hit single. “I am honored to be named for such artistic geniuses.”

While the elite tends to hew to traditional names in Portuguese like Pedro, Gabriel, Julia and Carolina, American popular culture clearly fascinates broad sections of society, explaining a name like Oleúde José Ribeiro, a retired athlete whose first name is a phonetic spelling of Hollywood.
Not far from São Paulo, a television network recently found a family in which seven children were named in honor of Elvis Presley: Elvis, Elvisnei, Elvismara, Elvislei, Elvicentina, Elvislaine and Elvislene.

Encountering such names can be a little bewildering to newcomers.

“Never think he or she was making a joke about his or her name,” the Mexican novelist Juan Pablo Villalobos, who lives in São Paulo, wrote in his irony-soaked “Brazil: A User’s Guide,” published in Granta. “No matter the name they told you, it’s the actual name.”

Some Brazilians contend that naming has fallen from previous heights. Ruy Castro, a newspaper columnist, recently noted that melodious names like Eustáquio, Pancrácio, Hermenegilda and Hilária can now probably be found only on gravestones.

Others warn that naming has grown so extreme that limits are needed.

“We have reached the point where an alarm must be sounded,” said Osny Machado Neves, 73, a lawyer who worked for more than 35 years in a notary public’s office. Astounded by the names he came across, he compiled about 8,000 of them into a book.

“Sometimes parents don’t know the trauma they are inflicting on their children,” said Mr. Neves, citing first names like Colapso Cardíaco (Cardiac Arrest).

Sources of inspiration vary widely. José Miguel Porfirio, an accordionist in Recife, named his three children Xerox, Autenticada (Notarized) and Fotocópia (Photocopy), words he saw on a sign at a civil registry.

Then there is Petroswickonicovick Wandeckerkof da Silva Santos, a 12-year-old soccer prodigy who has begun training with Corinthians, one of Brazil’s leading teams. Even in a country flooded with amazing names, his 19-letter first name and 12-letter middle name have raised eyebrows.

The boy said it took him awhile to learn how to pronounce his own name. His father, José Ivanildo dos Santos, a soccer coach, has been repeatedly questioned about the choice.

“The woman at the notary public’s office thought it was terrible and called me crazy,” Mr. dos Santos said in a televised interview. “But I told her I’d name my son my way.”

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Xadrez, o nome do jogo

Lane Valiengo

    "Parecia um jogo de xadrez!"

    É assim que falam as pessoas quando querem explicar uma situação que exige concentração, estratégia, cálculo, antecipação de movimentos. Uma situação em que não se pode errar, em que a Lógica é fundamental.

         Xadrez, o jogo, não depende de sorte, depende de conhecimento, capacidade e tática. Sua forma atual surgiu na segunda metade do Século XV, durante o Renascimento, no Sudoeste da Europa. Trata-se de uma evolução das suas antigas origens persas e indianas.

         É um dos jogos mais praticados do mundo, envolvendo milhões e milhões de pessoas: algo assim como seiscentos e cinquenta milhões de pessoas... Destas, calcula-se que 7,5 milhões são filiadas a federações nacionais.

         Wilhelm Steinitz é considerado o primeiro campeão mundial de Xadrez (início do Século XIX).

         O nome do jogo vem do sânscrito, sendo uma associação das palavras chatur e anga, "quatro partes", uma referência às quatro divisões dos exércitos antigos (elefantes, cavalaria, e carruagens - ou barcos - e infantaria), que compunham as peças do chaturanga, antecessor do Xadrez.

         O nome percorreu o seguinte caminho até nós: chatur anga (sânscrito) -chaturanga - schatrayan (persa) - schtrayn- shadayn/shadran - al xedrech (árabe) - alxedrez - ajedrez (castelhano) e xadrez (português).

         É assim que a etimologia demonstra todo o fascínio do surgimento das palavras.

         E dos nomes.

O escritor que virou adjetivo

Lane Valiengo

         Kafkaniano, dizem os dicionários, é aquilo cujo absurdo e ilogismo sugerem a atmosfera dos romances e contos de Franz Kafka. É a situação que escapa de qualquer lógica ou coerência. É um adjetivo, logicamente. Um adjetivo derivado de um nome próprio.

         Kafka, nome tcheco, significa gralha.

         Franz, variante de Francis, seria aquele que vem da França.

         Franz Kafka, o nome, significa um dos maiores escritores de todos os tempos. Escrevia em alemão: Praga, cidade em que nasceu e viveu durante os seus quarenta anos, pertencia à monarquia austro-húngara.

         Assim pode-se definir Kafka: influenciado por três culturas (tcheca, judia e alemã), atraído pelo realismo e pela metafísica, o encontro da lucidez, da ironia e absurdo. Escritor marcado pela opressão burocrática das instituições e pela fragilidade do homem diante do cotidiano.

         Escreveu livros que influenciaram o mundo moderno e as artes em geral, como "A Metamorfose", "O Processo", "Amerika", "O Castelo", "O Artista da Fome", "Carta a Meu Pai", "Na Colônia Penal" e "Muralha da China" (contos).

         Nasceu em 3 de julho de 1883, em Praga. Morreu em 3 de junho de 1924, em um sanatório em Viena. Estava internado para tratar de uma tuberculose.

         Não foi muito famoso em vida. Suas obras tornaram-se clássicos modernos após sua morte. Ao contrário de seu personagem mais conhecido, Gregor Samsa, que um dia acordou e percebeu que se transformara em um inseto (uma barata), Kafka não acordou para perceber que se tornara conhecido, respeitado, louvado.

         Nem que seu nome virou um adjetivo. Pelo menos quanto a isso, ele está em boas companhia: dantesco, quixotesco, homérico, machadiano, freudiano são a representação de alguns dos nomes mais importante da civilização (sim, Machado também!) que se tornaram bons e eficazes adjetivos.



(Como ir à luta em busca de um futuro melhor)
(Na encruzilhada das decisões)

Lane Valiengo

         Existem aqueles que passam a sua existência toda em vão, perguntando qual o sentido da vida sem ir em busca desse sentido. Existem aqueles que preferem ignorar qualquer sentido que possa existir. E existem ainda aqueles que despertam e pensam em dar um sentido verdadeiro à sua vida.
         Nada é assim tão fácil, o mundo não pode ser simplesmente definido como um antagonismo entre os bons e os maus. Ou os feios. Às vezes pode parecer que o tempo passou, Carolina permaneceu na janela e nem viu e as esperanças da sua juventude viraram pó, não vingaram, foram parar jogadas no fundo de um baú esquecido no sótão do seu cérebro. Os grandes escritores russos, especialmente Techkov e Dostoiewski, entenderam bem o drama humano que se esconde na alma de cada um. O ser ou não ser shakesperiano não é apenas um grande dilema literário, é a própria encruzilhada em que cada um de nós um dia se vê entre Deus e o Diabo na terra do sol e da garoa, dos grandes sonhos e das imensas corrupções em série.
         Os mistérios filosóficos sempre existirão, pensadores do tamanho de um Sartre sempre falaram da vida de forma fatalista, dolorosamente, revelando toda a nossa consistência duvidosa. A verdadeira graça, divina ou não, é apenas ser bom nas nossas ações ou é a de ter consciência de que viver uma vida banal e sem graça é uma questão de opção?
         Descartes hoje diria "penso, logo sofro"? A sua dúvida seria a de saber por qual razão afinal somos assim, por que nos tornamos aquilo que somos de fato, sem máscaras sociais ou fingimentos?
         Dá até vontade de imitar Rilke e escrever uma "carta aos jovens cidadãos".
         Falar aos jovens que logo serão adultos parece ser a saída mais importante que temos.
         A questão fundamental é que sempre acontece um momento decisivo na vida, no qual temos que decidir quem seremos nós, que tipo de pessoa seremos, que comportamento teremos, a que valores seremos fiéis. É óbvio que fatores sociais sempre terão lá a sua influência. Mas a pequena fração de livre arbítrio que ainda conservamos é para ser usada na tomada de decisões deste tipo. Muitas vezes a pessoa ainda jovem não tem consciência do momento e da sua importância vital para todo o restante dos nossos dias. O sistema de dominação que impera no mundo faz de tudo para incentivar a alienação, uma forma bastante eficaz de dominação, de escravidão mental. Mas muitos – felizmente! – conseguem escapar desses labirintos.
                   Existem muitas verdades a respeito de cada fato e ninguém é dono delas, por mais que tentem comprá-las (pagando pouco, é claro...). Mas em nome de um possível despertar de consciências, em nome de uma vida mais digna e mais coerente, em nome da solidariedade coletiva que toda sociedade deve cultivar, em nome de avanço social e do crescimento individual, vamos colocar na mesa e no sofá algumas propostas. Aproveita quem quer, usa quem puder ou desejar...
                   O livro sagrado das advertências virtuais existe desde que apareceram os primeiros jovens no universo. Ele trata de coisas fundamentais com não jogue a sua vida fora, faça algo de útil da sua vida, construa a sua personalidade, pense no seu futuro, planeje o seu futuro, não perca tempo com uma vida vazia e muito mais.
                   A advertência que podemos fazer é que não se trata de nenhum livro de autoajuda, estamos falando de decisões a serem tomadas no outono da existência.
                   Acontece que ao se aproximar da maioridade legal – e, em consequência, da responsabilidade civil –, todo jovem deve estar preparado para assumir responsabilidades. Isso é inevitável. A idade apresenta possibilidades interessantes e transformadoras, como ter autorização para dirigir, para casar, para ser votado (votar pode desde os dezesseis...), abrir uma empresa, ir e vir sem precisar de autorização dos pais, etc.
                   Além dos aspectos jurídicos da questão, são muito importantes os pontos que dizem respeito ao comportamento social, à reflexão individual, à personalidade, à participação política, à formação de uma ideologia e – fundamental, na nossa visão específica – da construção do seu nome próprio.
                   O nome é a primeira propriedade de uma pessoa e a sua característica mais importante, junto com o sexo. É uma das principais referências de identidade, junto com o rosto ou a impressão digital. Mais é a mais enraizada delas. É o que nos identifica, nos revela, nos apresenta.
                   A construção individual do nome tem duas fases: o símbolo e a substância.
                   A substância diz respeito à identidade, quando a pessoa percebe a si mesmo, se identifica com outras pessoas, adquire cultura e educação, desenvolve valores, habilidades, conhecimentos e, reconhece as suas limitações. É nessa fase que deve ocorrer o planejamento do futuro e o reconhecimento das responsabilidades a serem assumidas. O processo inclui ainda, obviamente, a consciência a respeito da responsabilidade civil do indivíduo. Trata-se em síntese da construção das bases do ser.
                   Deixar a vida simplesmente acontecer (e passar...), sem cuidar da substância, dos valores, dos instrumentos que possam fazer a pessoa alguém melhor e mais capacitado, é um verdadeiro crime, ou melhor, um autocrime, uma sabotagem, uma espécie de suicídio social e individual. Na falta de outro nome, muitos chamam a isso de alienação.  Que nada mais é do que a falta deliberada de comprometimento com o crescimento pessoal e coletivo.
                   Um aviso: a construção da identidade social é um processo que ocorre durante a vida toda do indivíduo, não tem fim. Mas precisa ter um início.
                   Agora, falemos do nome.
                   A valorização de um nome ocorre a partir da quantidade de conhecimento que acumulamos e do nosso comportamento social. Juntamente com o símbolo (a palavra) e seu significado, a valorização do nome se dá de acordo com o que fazemos, com as nossas ações, nosso raciocínio, nossos pensamentos e a forma de nos relacionarmos.
                   A construção de um nome forte e respeitado depende ainda da existência de um nome que tenha significado, que desperte ações saudáveis. Um nome que seja de bom gosto e que identifique, de fato, o seu proprietário. Que não seja bizarro, feio ou sem significado. Que não envergonhe, não cause constrangimento.
                   Por isso mesmo, a legislação brasileira é sábia, pois a Lei nº 6.015/1973, em seu artigo 56, concede ao jovem, no ano da sua maioridade, o direito de mudar o próprio nome. Um direito que na verdade existe desde os anos 30 do século passado.
                   A escolha de um nome adequado também é parte importante do processo de planejamento do futuro e do fortalecimento da personalidade. Pois muitas vezes, um nome estranho ou inadequado pode comprometer o desenvolvimento da personalidade, criando traumas e sofrimentos e impedindo o desenvolvimento pleno das potencialidades de cada um.
                   Seja fiel a você e alimente o crescimento da sua personalidade.
                   Estude, aprenda, instrua-se.
                   Planeje o seu futuro. Prepare-se para o futuro, com as ferramentas necessárias. Tenha consciência do mundo em que vivemos.
                   Busque a evolução de toda a sociedade. Seja solidário. Comprometa-se.
                   Escolha um nome adequado e construa esse nome. Valorize o seu nome, engrandeça o seu nome.               
                   Orgulhe-se de você e do seu nome.

Outros nomes estranhos parte 5

Lane Valiengo

                   Carmen Fumo
                   Cláudio Calo
                   Kelly Hoty
                   Dimmi Amora
                   Maria Patuléia
                   Lenitha Budha
                   Soraia Bizarro

               Nomes coletados nos jornais O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, O Globo, Diário do Litoral, Gazeta do Litoral, A Tribuna de Santos e Diário Oficial de Santos.

O que revelam na verdade os nomes feios

Lane Valiengo

                   Um nome feio revela toda a falta de seriedade de quem o escolhe, além da falta de consciência e de um mínimo de preocupação com o futuro dos próprios filhos. Demonstra que alguém que é inconsequente na hora de decidir o nome não tem, na verdade, nenhum compromisso com os outros, com a sociedade, com a sua própria família. Evidencia também o extremo personalismo dessas pessoas.

                   Mas não é somente uma questão de inconseqüência: os nomes revelam muito a respeito de quem os escolhe. Diga-me quem escolheu o seu nome e te direi quem ele é e qual a sua postura diante da vida.

                   Nomes feios ou de mau gosto revelam que quem os escolheu não tem a menor preocupação com a vida dos outros. Isso é omissão, é um verdadeiro crime contra a humanidade. E como crime deveria ser tratado.

                   Revelam ainda mais: mostram a falta de cultura, a ignorância, a fraqueza, a personalidade insegura. Comprova que não entendem a vida e que tratam até mesmo os filhos com desrespeito, despeito, ausência de solidariedade e de amor verdadeiro. Prova o vazio da alma, a falsidade dos pensamentos, a mesquinhez, a banalidade, o espírito confuso, a baixa autoestima, a existência miserável e vazia. Rejeitam até mesmo aqueles que eles próprios geraram.
                   Revelam ainda a crueldade de que o ser humano é capaz e toda a dimensão maléfica da existência. O inferno são os outros, a começar por quem é capaz de condenar um recém nascido a uma existência de sofrimento, numa tortura que perdura pela vida inteira.

                   A questão do nome das pessoas é uma questão de direitos humanos. Quem nega a uma criança o direito de ter um nome adequado, sonoro, expressivo, que tenha um significado real, preferindo em vez disso a gozação, a pilhéria, não merece perdão. Merece punição por estes verdadeiros atentados contra a humanidade. Pois ninguém tem o direito de fazer terrorismo com um nome.

                   Que respeito merece uma pessoa que dá ao próprio filho um nome ridículo?